Marabá, 17 de julho de 2024

O sentido da glorificação do Filho na sua oração sacerdotal em Santo Agostinho.

03 de julho de 2024   .   

 

Por Dom Vital Corbellini, Bispo de Marabá – PA.

Santo Agostinho, bispo dos séculos IV e V em Hipona, Norte da áfrica
comentou a glorificação do Filho na oração sacerdotal de Jesus referente ao início do
capítulo XVII de São João. Esta oração demonstrou toda a intimidade do Filho para
com o Pai e do Pai para com o Filho 1 . A glorificação do Filho ensine a todas as pessoas
seguidoras de Jesus a viver na humildade, na paz e no amor.
A oração do Filho.
Jesus tinha a consciência que estava chegando o seu momento de ser glorificado
junto do Pai, através de sua entrega de vida passando pela cruz à glória da ressurreição.
O Senhor Unigênito e coeterno ao Pai, podia, mesmo na forma de escravo e a partir
dela, orar em silêncio, mas mostrou-se como quem elevava preces ao Pai, recordando
que é o nosso Mestre em todos os sentidos” 2 . Ele elevou por nós a oração, em nosso
favor, pois edificou os discípulos não apenas pelo discurso que proferiu o Mestre Jesus,
mas em favor dos discípulos, Ele elevou ao Pai 3 . Pela afirmação do Senhor Jesus que
disse ao Pai que estava chegando a hora de glorificar o seu Filho mostrou que em todo e
qualquer tempo, fosse disposto por Aquele que não está sujeito ao tempo, as coisas
ocorridas, encontrando suas causas eficientes na Sabedoria de Deus, na qual não existe
tempo 4 .
Ação de Deus.
Santo Agostinho afirmou que aquela hora chegou não de uma forma inesperada,
inadiável, mas ela foi em virtude da ação de Deus que a ordenou para Jesus. Jesus
escolheu o tempo em que morreria, tal com o Pai, de quem Ele nasceu sem o tempo,
decidiu o tempo em que nasceria da Virgem Maria 5 . Por isso o apóstolo Paulo disse que
na mesma medida que foi dito que na plenitude dos tempos, enviou Deus o seu Filho
(cf. Gl 4,4), naquele momento ele disse ao Pai que estava chegando a hora (cf. Jo 17,1),
referia à hora em que Ele e o Pai estabeleceram juntos para que Ele fosse glorificado
em favor da humanidade para que Pai glorificasse o Filho e o Filho glorificasse o Pai
pela cruz e ressurreição(cf. Jo 17,1) 6 .
O valor da paixão e da ressurreição.
A glorificação do Filho deu-se seja pela paixão, morte de cruz, mas também seja
pela sua ressurreição. O apóstolo Paulo disse que Jesus humilhou-se a si mesmo, foi

1 Cfr. Homilia 104. O Dom da Paz (Jo 17,1). In: Santo Agostinho, Comentários a São João – II. Evangelho –
Homilias 50-124. São Paulo, Paulus, 2022.
2 Cfr. Idem, pg. 395.
3 Cfr. Ibidem.
4 Cfr. Ibidem.
5 Cfr. Ibidem.
6 Cfr. Ibidem, pg. 396.

obediente até a morte e morte de cruz de modo que a sua glorificação vem de Deus Pai
que o elevou e lhe conferiu o nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de
Jesus todo o joelho se dobre nos céus, na terra e debaixo da terra, e que toda a língua
proclame que o Senhor Jesus Cristo está na glória de Deus Pai (cf. Fl 2,8-11) 7 . Para
Santo Agostinho é clara a idéia de que o Mediador entre Deus e os homens, o homem
Cristo Jesus, recebesse a glorificação do Pai pela ressurreição, na verdade foi o primeiro
humilhado pela paixão e Ele não teria ressuscitado dentre os mortos se não tivesse
morrido, de modo que a humildade foi o mérito da celebridade e a celebridade foi o
prêmio da humildade 8 .
O Pai glorificou o Filho e o Filho glorificou o Pai.
A Palavra de Deus colocou que o Filho foi glorificado pelo Pai, na forma de
servo, escravo, e que o Pai glorificou o Filho, fazendo-o ressuscitar dos mortos e o
colocou à sua direita (cf. 1 Pd 3,22). Jesus não disse apenas: “Pai, glorifica teu Filho”
mas Ele acrescentou em seguida “para que teu Filho te glorifique” (Jo 17,1) 9 . Esta
glorificação ocorreu pelo anúncio do Reino de Deus e pela evangelização dos povos. No
momento em que pelo Evangelho de Jesus Cristo e pela sua Palavra na vida dos
apóstolos, os seus discípulos e discípulas, o Pai fosse conhecido aos povos pagãos,
gentios, com certeza também o Filho glorificou o Pai. O Filho é glorificado pelo Pai na
ressurreição de modo que também o Filho glorificou o Pai através da pregação e da sua
ressurreição. O bispo de Hipona ressaltou as palavras quando Jesus disse: “Glorifica teu
Filho para que teu Filho te glorifique” o Senhor afirmou: “Ressuscita-me, para que por
meu intermédio venhas a ser conhecido em todo o orbe” 10 .
A glorificação do Filho junto do Pai colocou a doação da vida de Jesus que
passou pela cruz para chegar à glória da ressurreição. O Pai glorificou o Filho
ressuscitando-o dos mortos, de modo que Ele venceu a morte e é eterno vivente. Nós
somos chamados a viver a glorificação do Filho com o Pai e do Pai com o Filho pelo
dom do Espírito Santo, através da caridade, do amor a Deus, ao próximo como a si
mesmo.

7 Cfr. Ibidem.
8 Cfr. Ibidem, pg. 397.
9 Cfr. Ibidem, pg 399.
10 Cfr. Ibidem, pgs 399-400.

FacebookWhatsAppTwitter

VEJA TAMBÉM