Marabá, 22 de abril de 2024

Santo Antão: O pai dos monges que defendeu a divindade do Verbo de Deus

17 de janeiro de 2023   .   

Por Dom Vital Corbellini, Bispo de Marabá – PA.

            A Igreja festeja no dia 17 de Janeiro, Santo Antão. O conhecimento de sua vida deu-se através de Santo Atanásio, Bispo de Alexandria, no Egito[1]. Seguindo a Jesus, ele é considerado pela comunidade eclesial, o pai dos monges, sendo o inspirador de todo o movimento monacal. Ele viveu entre III e IV séculos, devendo ter morrido com mais de cem anos.

A obra do bispo de Alexandria foi fundamental para a orientação de todo o movimento monacal. O período das perseguições contra o cristianismo estava acabando pelo Império romano e também pelo fato de que o monaquismo estava iniciando tanto no Oriente como no Ocidente de modo que era preciso apresentar um modelo de vida monacal para todas as pessoas que seguiam essa forma de vida na Igreja e com o Senhor. É importante analisar alguns pontos de Santo Antão como aquele que defendeu o Verbo de Deus diante do arianismo, que negava a sua divindade. O monge anunciou a vida do Senhor, sobretudo para o povo de Alexandria.

            A sua vida em contínua retirada.

            Santo Antão, ou Antônio teve uma vida em continua retirada. Sendo filho de pais ricos, abandonou as riquezas e foi se retirando de seu lar, comunidade, e foi aos poucos morar nos desertos. Quando ele participou de uma celebração eucarística de sua comunidade ao ouvir o evangelho do jovem rico que pediu para Jesus o que ele faria de bom para ganhar a vida eterna?! Jesus lhe disse que era para ele observar os mandamentos da Lei de Deus e cumpri-los. Quando ele disse que estava observando os mandamentos, Jesus lhe fez uma proposta mais radical no sentido da perfeição evangélica, para vender os seus bens, dá-los aos pobres, tendo um tesouro nos céus e depois era para ele vir e seguir a Jesus. Mas como o jovem era cheio de riquezas, foi para casa triste (Mt 19,16-22). A partir desse evangelho, Antão assumiu a palavra de Jesus no sentido de segui-lo e tomar o lugar daquele jovem. Ele foi abandonando as suas coisas e foi se retirando aos poucos para seguir a Jesus Cristo.

            O desejo pela solidão.

Santo Antão ou Antônio foi anacoreta, uma pessoa que vivia a solidão sem a vida comunitária. Os anacoretas viviam em lugares desertos e também nas cidades. Além de ele ser o pai do monaquismo em geral, Antão foi também o pai do monaquismo anacoreta, das pessoas que viviam sozinhas. No deserto era ele uma pessoa dedicada à oração, ao trabalho e à leitura da Sagrada Escritura. As pessoas falavam que ele sabia a Escritura de cor. Ele trabalhava com as próprias mãos seguindo a palavra do apóstolo São Paulo que quem não quisesse trabalhar não deveria comer (2 Ts 3,10). É importante afirmar que o trabalho no monaquismo antigo visava prover as próprias coisas para o sustento de suas vidas e também para ajudar em esmola os pobres[2].

            O enfrentamento com os espíritos maus.

            Santo Antão enfrentou os espíritos maus no deserto. O deserto era um lugar para se encontrar com Deus, mas também para lutar contra os espíritos malignos. Estes o insinuaram a abandonar a vida de ascese, à volta para trás, o amor ao dinheiro, o desejo da glória, o prazer nas coisas. Tudo isso era para fazê-lo renunciar à reta eleição. Mas Antão foi muito constante em enfrentar os espíritos maus pela oração, pela unidade com o Senhor Jesus que o seguia sempre mais no deserto. Como Santo Atanásio disse Antão pôs Cristo no coração e meditando a nobreza que vem dele e sobre a espiritualidade da alma, apagava as forças que vinham do demônio[3].

            Antão venceu o demônio da impureza.

            O santo monge venceu o demônio da impureza que lhe assaltavam os pensamentos. Ele tinha se apresentado como o amigo da impureza, mas que Antão sempre o afastava pela oração, pelo encontro com o Senhor Jesus. Antão se encorajou e alegre prosseguia o seu caminho. Ele dizia que o Senhor era o seu socorro, de modo que era possível superar, desprezar os seus inimigos (Sl 117,7)[4].

            O valor da perseverança.

            Santo Antão pregava para todas as pessoas a importância da perseverança, para desta forma unirem-se sempre mais a Deus e aos irmãos e irmãs. A pessoa não abandona a vontade de ser fiel também no dia atual, se ontem o foi de verdade. Jesus pediu de seus discípulos a perseverança até o final das tribulações em vista da salvação (Mt 24,13). O monge santo tinha presente a palavra de Paulo que diz que aquele que escolheu o bem, a paz, o amor, Deus colabora com ele (Rm 8,28)[5].

            Jesus venceu o espírito mau.

            Santo Antão tinha presente o Senhor que venceu as tentações do ter, do poder e do prazer (Mt 4,1-10). A necessidade é a realização do bem, da luta pela paz e pelo amor entre as pessoas, famílias e povos. Assim não será necessário temer os espíritos maus, pela confiança em Deus e pela caridade com as pessoas, sobretudo para com os pobres. Antão acreditava nas palavras do Senhor quando mandou embora Satanás onde tinha presente as palavra da Escritura que somente a Deus a pessoa adorará e só a ele o servirá (Mt 4,10)[6].

            O monge era considerado o substituto do mártir.

            Com o fim das perseguições os monges iram no deserto para enfrentar os espíritos maus e viverem o martírio da solidão, da oração e das práticas de ascese, do jejum e outras privações. Antão teve esta idéia que deixou a vida diária para ir ao deserto e viver uma vida de santidade. Mas ele nunca deixou o seu contato com os fieis de Alexandria que lhe dava consolo na perseguição de Maximino contra a Igreja. Antão desejava o martírio. Como não foi possível ser mártir, ele serviu os confessores na fé, como se estivesse preso por eles, e se consumia nesse serviço[7].

            Santo Antão enfrentou o arianismo.

            Santo Antão foi uma pessoa muito imbuída pela graça de Deus, pela unidade com o Senhor Jesus Cristo e com o Espírito Santo. Ele como monge inspirado por Jesus Cristo saiu do deserto para enfrentar os arianos e todo o sistema do arianismo. Ário negava a divindade do Verbo de Deus de modo que ele foi condenado no Concílio de Nicéia em 325, quando este afirmou que o Filho Jesus é Deus como o Pai é Deus, é Deus como o Espírito Santo é Deus; Ele foi gerado desde sempre pelo Pai e é da mesma substância afastando desta forma toda a negação de sua divindade que vinha do sistema ariano. A pedido dos bispos e do povo cristão, Antão foi para Alexandria pregar para todos que o Filho de Deus não era criatura e que não foi tirado do nada; Ele é o Verbo eterno e a Sabedoria da substância do Pai. Era impiedade afirmar que teve um tempo em que ele não existiu, idéia presente em Ário, mas que Antão recusava, afirmando que o Filho estava sempre com o Pai. Era falsa a idéia ariana de que se colocaria entre as criaturas o Criador, Jesus, uma vez que tudo foi feito por meio dele (Jo 1,3)[8]. Ele é Criador e não criatura.

            Antão era querido por todos.

            O povo se alegrava com Antão porque ele combatia a heresia ariana, que negava a divindade do Verbo. Antão defendeu a sua divindade. Os pagãos também desejavam ouvi-lo e vê-lo porque percebiam nele um homem de Deus. Em Alexandria o Senhor fez por meio dele milagres na purificação de espíritos maus. Muitas pessoas assumiram o cristianismo através de Antão, porque ele os conduzia ao Senhor Jesus e à Igreja[9].

            Santo Antão morreu perto do Mar Vermelho, aos 105 anos de idade, segundo o relato de Santo Atanásio[10]. O Senhor que o amava tornou-o célebre em toda a parte. Foi um homem do Senhor, segundo o bispo de Alexandria, que desde a juventude até a idade avançada, conservou igual ardor na ascese[11]. Ele foi conhecido em toda a parte não somente no Oriente, mas também no Ocidente. Na verdade todos queriam saber a forma de sua vida monacal, porque o movimento estava iniciando em toda a Igreja. Ele inspira o povo de Deus e, sobretudo os monges a viverem o amor a Deus, ao próximo como a si mesmo. Nós somos chamados a viver como Santo Antão, ligados à Deus, à Igreja e ao mundo e um dia carregamos a esperança na eternidade.

 

[1] Cfr. Santo Atanásio. Sobre a vida e conduta de Santo Antão. São Paulo, Paulus, 2002.

[2] Cfr. C. Noce. Il martirio, testimonianza e spiritualità nei primi secoli. Roma, Studium, 1987.

[3] Cfr. Santo Atanásio. Sobre a vida e conduta de Santo Antão, n.5.

[4] Cfr. Idem, n. 6.

[5] Cfr. Idem, n. 19.

[6] Cfr. Idem, n. 37.

[7] Cfr. Idem, n. 46.

[8] Cfr. Idem, 69.

[9] Cfr. Idem, n. 70.

[10] Cfr. Idem, n. 92.

[11] Cfr. Idem, n. 93.

 

Fonte: Vatican News

FacebookWhatsAppTwitter

VEJA TAMBÉM